Governo de SP e Reitoram tentam golpe contra cotas
 

 

 

 

 

 

 

 

Com apoio de Intelectuais, movimento negro de São Paulo e mais de 120 organizações lançam Manifesto a Favor das Cotas Raciais em SP;

 

Críticas à proposta de Alckmin e das Reitorias de USP, UNESP e UNICAMP dão tom ao documento.

 

Denis de Oliveira, Ricardo Antunes, Ricardo Musse, Maria Benevides, dezenas de professores da USP, UNESP e UNICAMP, partidos e movimentos, inclusive MST, subscrevem manifesto.

 

O Governador Alckmin (PSDB) deve apresentar oficialmente nesta quinta (20/12), a proposta de política de cotas formulada pelas reitorias da USP, UNESP e UNICAMP.

 

A proposta que prevê reserva, porém sem garantia de acesso imediato às vagas. A ideia é entendida como uma afronta à demanda dos movimentos negros e sociais que sempre lutaram por oportunidades e acesso à universidade, para a população negra e pobre.

 

O MANIFESTO A FAVOR DE COTAS RACIAIS EM SAO PAULO, subscrito por 121 entidades e 264 pessoas, entre elas professores da USP, UNESP, UNICAMP e outras universidades públicas e provadas, exige, entre outras coisas, a promoção do diálogo entre governo, reitorias, movimentos negros e movimentos sociais que realmente representam a sociedade civil organizada. Segundo o texto, “A construção das políticas de cotas devem se dar em conjunto com a sociedade civil e os grupos diretamente interessados.” O Manifesto defende ainda o Projeto de Lei 530/04, que garante cotas negros e estudantes de escolas públicas, que tramita na Assembléia Legislativa há mais de 8 anos.